Início » Notícias » Deputado Arantes cobra de Dilma construção de fábrica de amônia no Triângulo

Deputado Arantes cobra de Dilma construção de fábrica de amônia no Triângulo

Comissão suprapartidáriaPetrobras interrompe obras da fábrica em Uberaba e prejudica construção de gasoduto que ligaria Betim a cidade

Minas Gerais pode perder sua melhor oportunidade de desenvolvimento econômico, desde a instalação da montadora de automóveis Fiat, na década de 70, e só a presidente Dilma Rousseff pode evitar esse desastre. Essa foi a conclusão a que chegaram os deputados durante reunião realizada nesta terça-feira (14/7/15), na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). O problema é tão grave que provocou a criação de um grupo parlamentar suprapartidário para buscar, sob a liderança do governador Fernando Pimentel, uma decisão política da presidente da República que garanta a construção da fábrica de produção de amônia e derivados em Uberaba (Triângulo Mineiro), obra paralisada pela Petrobras.

O deputado Antônio Carlos Arantes (PSDB) fez um forte apelo pela mobilização política. “A vaca já foi para o brejo, mas ainda não morreu. Ainda dá para tirá-la de lá. A ação política é o caminho. Minas elegeu Dilma, e é esse o troco que ela dá? Temos que acordar. O Estado está sendo vítima dessa gestão. Eu sei quanto custa uma tonelada de fertilizante. É cara! Podemos reduzir o preço produzindo em Minas, mas o governo federal não quer, prefere importar”, alertou.

A reunião da ALMG reuniu três comissões parlamentares: de Turismo, Indústria, Comércio e Cooperativismo, presidida pelo deputado Arantes; de Política Agropecuária e Agroindustrial; e de Minas e Energia. Também participaram o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Altamir de Araújo Rôso; o presidente da Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig), Eduardo Andrade; além de representantes da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), os prefeitos Paulo Piau, de Uberaba; Rui Ramos, de Pirajuba; Wladimir Azevedo, de Divinópolis; Osmando Pereira, de Itaúna, e Aílton Duarte, de Luz, e também vários vereadores.

Petrobras já investiu mais de 1 bilhão no projeto que pode virar sucata

Segundo nota emitida pela Petrobras, a obra estaria em “hibernação”, ou seja: paralisada, mesmo depois de já terem sido gastos mais de R$ 1,2 bilhão no projeto, principalmente com a compra dos equipamentos. “Nunca vi ninguém comprar os móveis antes de construir a casa”, questiona Arantes, que denuncia que a verdade é outra: “A Petrobras está desistindo de investir na área de fertilizantes e ainda culpa o governo do Estado”, alertou.

A amônia e seus derivados, como a ureia, são fertilizantes importados em grande volume pelo setor agrícola brasileiro. O Brasil importa hoje quase 70% do fertilizante usado no País. A fábrica de Uberaba poderia reverter esse quadro.

Sem a fábrica de amônia não há gasoduto

Sem a fábrica de Uberaba, o Governo do Estado afirma que é inviável construir o gasoduto de aproximadamente 500 km de extensão ligando Queluzito (Região Central) a Uberaba, um projeto que vinha entusiasmando os prefeitos das regiões Central, Centro-Oeste e do Triângulo. “A construção do gasoduto só se viabiliza com a fábrica de amônia”, afirmou o secretário Altamir Rôso.

O presidente da Gasmig, Eduardo Andrade, garantiu que o projeto de implantação do gasoduto está em dia e não é a causa da decisão da Petrobras de interromper seus investimentos.

Verifique também

DEPUTADO ARANTES PARTICIPA DE REUNIÃO PELA DESBUROCRATIZAÇÃO NA FIEMG

A convite do presidente da Frente Parlamentar Pela Desburocratização, deputado Guilherme da Cunha, o vice-presidente da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *