Capa » Assembleia Legislativa » Deputado Arantes denuncia onda de violência na região
Deputado Arantes denuncia onda de violência na região

Deputado Arantes denuncia onda de violência na região

Em discurso indignado na tribuna da Assembleia, parlamentar

critica governo do PT por corte nos recursos em Segurança Pública

Diante dos recentes episódios de assaltos na madrugada desta quarta-feira (03/05/17) em três municípios da região de sua base política, o deputado estadual Antonio Carlos Arantes (PSDB) se pronunciou em Plenário, na Assembleia Legislativa, com total indignação diante dos fatos. “Venho aqui mostrar para o povo mineiro que isso é consequência da falta de investimento nas polícias por parte desse governo. Isso é um absurdo”, criticou.

Em Jacuí três agências – a do Banco do Brasil, do Sicoob e dos Correios – foram alvo dos bandidos, além de um posto de combustíveis e uma loja de eletrodomésticos. Explosões e tiros tomaram conta da cidade às duas da madrugada assustando os moradores. Em Cássia, apesar das explosões, os bandidos não conseguiram arrombar o caixa eletrônico do Banco do Brasil e levar o dinheiro. Em Cristais, quatro homens fortemente armados invadiram a agência do Bradesco e saíram levando o dinheiro dos caixas e disparando e atingindo os comércios locais. Houve troca de tiros com a polícia, mas como ocorreu nas outras cidades, os bandidos conseguiram fugir.

“Na terça, fizemos audiência pública na Comissão de Segurança Pública e falei da violência na região, principalmente na zona rural. Falei de um caso chocante em Baldim, um senhor de 91 anos e sua esposa com quase a mesma idade foram brutalmente agredidos por bandidos que levaram uma quantia pequena de dinheiro. Falei da minha cidade, de Jacuí, onde, há 15 dias, bandidos sequestraram a família do gerente do Sicoob e levaram uma grande quantidade de dinheiro. E após denunciar isso tudo, 24 horas depois, a gente vê esse absurdo de total e completa falta de segurança na região”, disse Arantes.

Para o deputado, Jacuí é uma cidade de um povo trabalhador e honesto, que produz café, leite, soja, milho e está sofrendo com a falta de segurança. “Parecia filme de faroeste, foram pelo menos trinta minutos de terror em meio à madrugada. E não é a primeira vez que acontecem assassinatos, assaltos a mão armada, roubo de gado, de máquinas. Infelizmente o Estado está deixando os municípios a Deus dará”, denunciou Antonio Carlos.

Na avaliação do deputado, o problema não são os policiais, mas a falta de recursos e de infraestrutura. “Temos bons policiais na região que estão fazendo um importante trabalho, mas de que adianta você ter um comando sério e comprometido, mas sem estrutura?”, questionou Arantes. Ele fez questão de agradecer o coronel Frederico, comandante da 18ª Regional da PM em Poços de Caldas pelo envio de mais 37 policiais militares para a região, mas lamentou que o número ainda é insuficiente, pois muitos policiais já se aposentaram ou estão para se aposentar. O deputado agradeceu, também, a parceria do chefe da Polícia Civil da região, delegado Bráulio; do tenente-coronel Joelmar, comandante da 20ª Companhia Independente de São Sebastião do Paraíso; e o delegado Fernando Bettio, chefe da 48ª delegacia regional da Polícia Civil.

Deputado critica redução nos investimentos em Segurança Pública

Em 2014, no governo Anastasia, do PSDB, a Polícia Civil recebeu R$ 36 milhões em investimentos e R$ 150 milhões em custeio. Em 2015, no primeiro ano do governo Pimentel, do PT, esses valores caíram drasticamente: R$ 4 milhões para investimentos e R$ 95 milhões para o custeio. Com a Polícia Militar o descaso é o mesmo. Em 2014, o governador Antonio Anastasia destinou R$ 48 milhões para investimentos e R$ 314 milhões para custeio. Um ano depois, o atual governador destinou somente R$ 9 milhões para investimentos e R$ 166 milhões para o custeio. No Corpo de Bombeiros a redução chegou a 20% entre um governo e outro.

O deputado destacou o programa “Batalhão de Fronteira”, criado na gestão do governador Aécio Neves e mantido pelo governador Anastasia, o que dificultou a entrada de bandidos no Estado, principalmente os de São Paulo, alguns até ligados ao PCC. O programa foi abandonado pela gestão do governador Pimentel.

Na visão de Antonio Carlos, não faltam investimentos apenas na Segurança Pública, mas na Saúde e na Educação também. “Crianças e doentes pagam o preço por esse descaso do governo de Fernando Pimentel, como é o caso da falta de repasses para a compra de merenda escolar, que tem sido um grande problema, principalmente para os alunos em tempo integral”, criticou.

O deputado citou o exemplo do programa Farmácia de Minas, criado pelo governador Aécio Neves. “Na época, conseguimos levar mais de 60 farmácias para os municípios da região. Hoje não existem remédios, mas dinheiro para pintar todas as farmácias de vermelho, a cor do PT, tinha. Só não pintaram porque nós, os deputados da oposição, denunciamos esse absurdo”, completou o parlamentar.

Outro caso gravíssimo que mostra o descaso desse governo com os mineiros é a Parceria Público-Privada da MG-050. “O governo Pimentel não quis, essa é a verdade, fazer o aditivo. São R$ 500 milhões de recursos que estão deixando de ser investidos na estrada para corrigir pontos problemáticos. Enquanto isso, as pessoas estão morrendo”, lamentou Arantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*